Morte Anunciada

Logo que a notícia veio há 2 anos e 10 meses, achei que a condenação seria imediata.

Seria complicado sobreviver a aquele vírus que continha em si grande poder de destruição e contaminação.

Alguns, souberam se precaver, vacinando-se rapidamente, tomando certos remédios e aderindo a procedimentos e pactos para os quais eu não teria a menor condição de participar por questões pessoais e princípios.

Como um soldado, preferi enfrentar a batalha até o momento que fosse possível.

Mas era apenas uma questão de tempo. Uma morte anunciada e a maldita estava ali a me rondar, espreitando, zombando e tirando proveito do seu poder ao qual não há como lutar.

Por certos momentos, me deixou acreditar que seria possível sobreviver.

Foi um período difícil de tratamento sofrido e caro e quase acreditei que haveria uma chance de sobrevida. Mas era apenas uma manobra, afinal eu ainda tinha contribuições importantes a fazer.

A doença expôs minhas chagas e por muitas vezes me fez sangrar.

Sugou a energia, a alegria, a fé e por vezes, a vontade que ainda tinha de continuar a lutar.

A certa altura, quase desisti, dominada pelo constrangimento e humilhação.

Mas a luz venceu e a perseverança me manteve firme, alheia a maldades que não me pertencem.

Soube me reinventar algumas vezes e por alguma razão, sobrevivi a esse período assistindo a convalescência e morte de outros colegas também contaminados por este terrível vírus.

Todavia, após muita luta o momento havia de chegar e chegou, cumprindo sua missão sem levar em conta absolutamente nada.

Não imaginava mesmo que pudesse ser diferente. Esse vírus letal alimenta-se apenas de sua própria vaidade e da compulsão de destruir, sendo incapaz de enxergar o que não lhe convém.

A hora final é sempre difícil, mas para aqueles que têm fé, existe a certeza do renascimento, que é também de libertação, cura e luz!

 

 

 

Fugindo de conceitos prontos

Já vai embora? Está desmotivado!? Não, é exatamente o contrário!

 

Provavelmente você já foi vítima ou viu alguém sendo “hostilizado” com piadinhas sobre sua desmotivação por estar deixando a empresa no horário correto.

Esse é um  abuso do mundo corporativo do qual não podemos ser cúmplices.

As pessoas precisam entregar  resultado e  corresponder a demanda exigida, mas qualquer cidadão tem direito a ter uma vida digna e útil além trabalho e para isso é necessário uma jornada justa.

Um bom professional  é aquele que desempenha suas funções com responsabilidade e eficiência, dentro de horários e prazos pré-determinados.

Ninguém que trabalha muito além das horas contratadas consegue estabelecer uma rotina de exercícios, lazer e convívio com familiares e amigos, adequadas.

Aqueles, no entanto, que exercem seu direito, podem ser mais plenos, equilibrados, ter mais saúde e em contrapartida render mais ao exercerem suas atividades diárias.

Uma cabeça boa num corpo são criam ambientes melhores, produzem mais e tem mais disposição e criatividade no dia a dia. Além disso, costumam exercer suas funções sem dispersão e procrastinação, elevando a eficiência de suas ações.

Portanto, da próxima vez que lhe perguntarem se você está desmotivado ao deixar o trabalho na hora certa, não tenha vergonha ou culpa ao responder que: não, você está na verdade super motivado e por isso mesmo cumpriu com sua jornada e obrigações com foco e objetividade.

 

2016

Com certeza alguns sonhos foram concretizados
E outros ficaram pelo caminho.
Encontros foram realizados,
Partidas foram anunciadas.
Risos e lamentos.
Celebrações e infortúnios.
O importante é que entre perdas e ganhos,
A vida seguiu seu rumo.
Um ano acaba para que o novo possa surgir
Renovando as esperanças, os sonhos e energias.
Enquanto houver um novo amanhecer,
Sempre haverá uma nova chance para ser feliz!
Que 2016 possibilite grandes aventuras,
Muito amor, paz, saúde e prosperidade!